Educação Musical

Tum. Tum. Tum. Os primeiros sons que o bebê ouve ainda no ventre da mãe são as batidas do coração. O ritmo de um coração saudável é tranquilizador e pode contribuir para estabelecer vínculos afetivos.
Depois, as crianças felizes ouvirão acalantos doces acompanhados de um balançar suave, a primeira dança, o que ajudará a relaxar, dormir. Um pouco mais velhas, são as músicas de roda e até mesmo os jingles como o da “galinha pintadinha” que as farão sorrir.
A música está conosco por toda nossa vida, os sons constituem um gatilho poderoso para a memória, é muito comum os primeiros acordes de uma canção antiga provocarem reminiscências, fantasias, alegria e lágrimas. Memória, indispensável em todo processo de aprendizagem é despertada e atualizada por músicas que escutamos ao longo da vida, e o ouvido, segundo os cientistas, é mais importante no processo cognitivo que os olhos, e de certa forma comprovamos isso verificando que cegos normalmente desenvolvem bastante a cognição, enquanto surdos tem mais dificuldades e exigem um sistema educacional mais especializado e intenso.
Música também parece ser uma das mais antigas formas de arte, algumas evidencias levam à suposição de que homens em caverna, nos primórdios dos humanos, já produziriam sons com as mãos como forma de lazer e compartilhamento dos momentos de segurança e alimentação. De qualquer forma, tem sido difícil encontrar pessoas que não apreciem a música, e professores de cursinhos preparatórios utilizam muito o recurso de musicar trechos de suas disciplinas que desejam que os estudantes memorizem.
Profissionais de área discutem se vamos acrescentando novas categorias pelo desenvolvimento da sensibilidade ou até da inteligência, ou se apenas por mera curiosidade, que nos fornece a capacidade de prestar atenção a novos sons.
Mas o fato é que a paisagem sonora, como é denominado o ambiente acústico em que nos movemos, vai crescendo e adicionando experiências ao nosso redor, e embora possamos distinguir claramente o que é poluição sonora ou música, dificilmente podemos definir claramente qual nosso gênero predileto, pois cada um deles costuma soar agradavelmente aos nossos ouvidos em diversas ocasiões, dependendo muito da nossa disposição prévia.
Ao deixar de investir na educação musical escolar, com certeza perdemos um item importante de nossa formação cultural, embora, claro, a escola tenha muito conteúdo a ser ministrado. Mas o fato inconteste é que, como povo, somos talentosos nesta área, a musicalidade brasileira é reconhecida e elogiada em praticamente todos os demais países do mundo, temos algumas que hoje seriam quase que patrimônio cultural, marcas de brasilidade reconhecidas como de alta qualidade.
No entanto, nem tudo a escola regular deve ensinar, instituições educativas voltadas às áreas especializadas são mais eficientes quando o aluno demonstra interesse em complementar sua formação. Assim é que alguns terão interesse em violão, ou piano, ou canto, e poderão desenvolver estas habilidades específicas sem interferências nas matérias que efetivamente são de responsabilidade das escolas formais, como ciências, matemática, geografia e tantas outras.
Música é importante, e deveria ser mais desenvolvida no ambiente familiar, seja tocando instrumentos – como muitos povos fazem, formando verdadeiras orquestras de câmara em casa – ou apenas cantando ou dançando juntos, o que inclusive reforça laços emocionais e afetivos, além de apurar o gosto musical.
Muitas vezes políticos, com pouco ou nenhum conhecimento do dia-a-dia do sistema educativo propõem inserir dezenas de outras disciplinas em currículos, como se quantidade fosse sinônimo de qualidade, o que raramente acontece.

Wanda Camargo – educadora e assessora da presidência do Complexo de Ensino Superior do Brasil – UniBrasil.

Views All Time
Views All Time
50
Views Today
Views Today
2
Facebook Comments